Quando a eutanásia é aceitável?

Categoria: Saúde

Autor(a): Júlio Mangussi | Colaborador(es): Jornalismo Topco | Cidade: Campinas - SP | 02/07/2018 - 15:31

O polêmico procedimento é defendido por alguns gateiros, mas criticado por outros. Veja diferentes opiniões a respeito da medida
KatarzynaBialasiewicz/iStock.com

KatarzynaBialasiewicz/iStock.com

Despedir-se do seu companheiro felino, abreviando o sofrimento dele, é uma alternativa para muitos gateiros que veem seus gatos em situações extremamente delicadas de saúde. É uma decisão muito difícil, não há dúvidas. A eutanásia é polêmica, ainda que seja recomendada por alguns veterinários, dependendo do estado do animal. Afinal, em qual situação a eutanásia é ou não é aceitável? 

Perguntamos aos nossos leitores, que compartilharam sua perspectiva sobre o assunto. Esperamos que você nunca precise tomar essa difícil decisão, mas, caso seja necessário, leia algumas opiniões para ter um pouco mais de tranquilidade.

“Eu não faria de jeito nenhum, cuido até o fim com medicação para não sentir dor.”- Lilica Mendes

“Eutanasiaria um animal em estado terminal e em sofrimento sem pensar duas vezes. Perdi uma gatinha que teve falência renal e foi a partida mais triste. Me arrependo de tê-la deixado partir em sofrimento, mesmo internada.” - Gizzah Alencar


iStock/krblokhin

“Ano passado, perdi uma gata que viveu comigo por 13 anos. Morreu de velhice e problemas relacionados a ela. Entre eles, o mais grave: renal. Dei a ela até o fim todo o suporte médico e o amor incondicional que tive sempre, mas optei por não praticar a eutanásia. A meu modo de ver, o sofrimento faz parte do ciclo de vida de quem vive e que não é justo que alguém possa tirar a vida de algum ser. Hoje, depois que sinto somente saudade amorosa, tenho plena certeza de que agi certo.” - Vivianne Lacerda

“Eu perdi meu Thor com quatro anos. Ele teve insuficiência renal sem chance de reversão. Quando a veterinária fez a recomendação, eu não consegui decidir na hora. Fui para casa, pedi orientação divina, pois eu tinha a sensação de fazer algo contra a lei da natureza. Sou uma pessoa de muita fé e crença em Deus. Pedi muito e na manhã seguinte acordei com a certeza de que a eutanásia era a melhor decisão. Meu Thorzinho não ia voltar, ele foi embora nos meus braços. Até hoje eu choro pensando nele mas sei que fiz o correto. Ele estava vegetando. Vou amá-lo eternamente.” - Phaby DS

“Na minha opinião, nunca. Não faríamos isso com uma pessoa, por que com o bicho? Tive um caso que o veterinário queria fazer em um gatinho que eu estava tentando tratar. Levei-o pra casa, rezei, coloquei o irmãozinho dele do lado e dei todo carinho que eu podia até o último momento. Ele se foi com amor e dignidade.”- Katheriny Karyn

“É aceitável quando o coração do dono pede para que o sofrimento do animal seja tirado. Eu não sabia se eu teria coragem, até ver meu gato sofrendo. No fim, ele não precisou, descansou sozinho. Não podemos condenar. Ajudar a sanar o sofrimento é um ato de amor e responsabilidade.” - Aline Matos

“Minha gatinha de 15 anos e meio estava com câncer que veio a se tornar infecção generalizada. Vendo-a com muita dor e sofrimento, criei coragem e autorizei depois de uma semana. Achei que seria muito egoísmo da minha parte deixá-la sofrer, sendo que a veterinária disse que não tinha mais jeito. Fiquei com ela durante o processo todo porque não quis deixá-la passar por isso sozinha. Foi uma decisão muito difícil, mas sensata.” - Sandra Girundi


iStock/ AntonioGuillem

“Acredito que deixar um animal sofrer por nós não sabermos lidar com a perda não passa de pura vaidade. É preferível deixá-lo partir sem dor e sofrimento. Cabe a nós aprender a lidar com a perda dos nossos queridos gatinhos” - Julia Theodoro

“Há mais de um ano, meu gato SRD, crônico renal, estava com um dos rins sem funcionar e o outro quase parando. Ele podia vir a óbito a qualquer momento. Fiz de tudo por meses, repetia os exames de sangue a cada 3 dias e eles só pioravam. Foi a decisão mais difícil que tomei na vida, mas o medo de que ele estivesse sofrendo era maior. Na época ele não comia mais e quase não andava. Vê-lo morrer aos poucos estava me matando. Só é aceitável com todas as alternativas esgotadas.”- Jessika Lima

“Já passei por essa situação. Dói demais, mas se o animal estiver sofrendo e não tem possibilidade de melhorar, eu concordo com o procedimento. Faria o mesmo se fosse permitido com alguém de minha família. Ver um animal ou uma pessoa sofrendo sem chances de cura, vegetando, não é vida.” - Julia Becker

“Não se pode deixar um bichinho sofrendo só porque não conseguimos nos despedir. É difícil se despedir, mas quando penso que o bichinho não sentirá mais dor é a melhor opção. Óbvio que estou falando de quando não há mais o que fazer para curá-lo.” - Vanessa Medeiros Brasilino
  • GUIA DE CRIADORES DE GATOS

Encontre criadores de diversas raças.