AIDS Felina

Categoria: Saúde

Autor(a): Cleber Fontana | Colaborador(es): Jornalismo Top.Co. | Cidade: Campinas - SP | 04/02/2016 - 14:41

Doença transmitida entre animais, principalmente por meio de mordidas, pode ser fatal em 15 a 45% dos casos.

Warning: getimagesize(): Peer certificate CN=`caes-e-cia.com.br' did not match expected CN=`www.revistapulodogato.com.br' in /home/pulo-do-gato/mod/mod_Core/subModulos/pulo2017-materias-Ler-materia.php on line 135

Warning: getimagesize(): Failed to enable crypto in /home/pulo-do-gato/mod/mod_Core/subModulos/pulo2017-materias-Ler-materia.php on line 135

Warning: getimagesize(https://www.revistapulodogato.com.br//admin/storage/Imagens/materias/iStock_000055343392_Medium.jpg): failed to open stream: operation failed in /home/pulo-do-gato/mod/mod_Core/subModulos/pulo2017-materias-Ler-materia.php on line 135
Foto meramente ilustrativa:  Stock photo © Tuned_In

Foto meramente ilustrativa: Stock photo © Tuned_In

Poucas pessoas sabem, mas a AIDS é uma doença que também pode afetar os gatos. O VFI (vírus da imunodeficiência felina), ou AIDS felina, é causado por um vírus que leva à deficiência do sistema imunológico dos gatos e os predispõe a algumas doenças infecciosas. A forma mais comum de transmissão é por meio das brigas com mordidas. Também pode ocorrer durante transfusões com sangue contaminado, ou de mãe para filhote durante o parto ou amamentação. 

A doença, de maneira geral, apresenta estágios diferentes. Existe a fase aguda, que ocorre com 4 ou 5 semanas pós-infecção, podendo durar de semanas a meses. A fase assintomática (latência) pode durar anos, mas a fase mais complexa é quando o animal contrai diversas doenças secundárias, seguindo para o estágio final da infecção.

A transmissão do vírus ocorre apenas entre gatos e não é uma doença hereditária, porém, em alguns felinos selvagens, ela pode acontecer com mais facilidade. O material genético do vírus pode ser incorporado em seu genoma e ser transmitido aos seus descendentes.
 

Sintomas

Geralmente, os gatos infectados chegam a ter uma aparência saudável por vários anos e os sintomas demoram a aparecer. Eles podem estar relacionados à doença em si ou às doenças secundárias, que incluem má qualidade do pelo, febre, falta de apetite, diarreia, inflamação da mucosa oral (gengivite/estomatite), doenças oftalmológicas, alterações neurológicas entre outros.
Entretanto, segundo estudos mais recentes, por mais que o animal demore a mostrar os sintomas, a doença pode ser fatal, de 15 a 45% dos casos, e isso dependerá muito do estilo de vida do animal, das doenças às quais ele é exposto, entre outros fatores.

Prevenção
A maneira mais segura de prevenir doenças como o VIF é evitar que o felino tenha acesso às ruas, para que não seja exposto a brigas com animais possivelmente infectados. Além disso, é importante testar as bolsas de sangue antes de realizar qualquer transfusão sanguínea.
Não existe uma raça específica que contraia o vírus com maior facilidade. A epidemiologia da doença está mais relacionada ao sexo, ao estilo de vida e à idade do animal. Machos adultos e não castrados são os que compõem o grupo de maior risco.

Cléber Fontana
Médico veterinário e diretor clínico do hospital Pet Care, de São Paulo

 

  • GUIA DE CRIADORES DE GATOS

Encontre criadores de diversas raças.