Como é ser um gato?

Eles possuem habilidades que muitos atletas olímpicos invejariam; Descubra as diferenças entre nós e os felinos e outras curiosidades.

Imagem meramente ilustrativa: iStock @ pudiq

Alguns os consideram preguiçosos, outros não duvidam de suas habilidades atléticas. Com o intuito de investigar as aptidões felinas, nós da Pulo do Gato, contaminados pelo clima olímpico, fomos além e indagamos: e se os gatos competissem a Olimpíada? Seriam eles dignos de recordes e medalhas de ouro? Você já parou para pensar o quanto somos diferentes dos nossos companheiros felinos e quão melhores que nós eles são em vários quesitos? Saiba em quais esportes os bichano iriam fazer sucesso e outras curiosidades das habilidades felinas.

Corrida

O homem mais rápido do mundo é o jamaicano Usain Bolt. Em 2009, ele atingiu a marca de 9,58 segundos na prova de 100m rasos. Na Olimpíada de Pequim, China, em 2008, o atleta alcançou a maior velocidade que um ser humano já conseguiu, 43,9km/h, durante os primeiros 30m de prova.
Os números são surpreendentes, mas não o bastante para intimidar um bichano. Esse felino que talvez você tenha no colo neste momento pode alcançar incríveis 48km/h em uma perseguição ou fuga. Detalhe: Diferentemente de atletas, o felino não precisa ser treinado para atingir velocidade semelhante.
Entre as curiosidades acerca de sua corrida está a forma como se locomovem. Com a graça de um bailarino, o bichano toca apenas as pontas das patas no chão, aumentando o comprimento de suas pernas e, consequentemente, seus passos. Além disso, possui “design” de velocista. A espádua, parte referente ao seu ombro, tem um desenho que colabora com sua agilidade, deixando a clavícula livre e as omoplatas não ligadas ao esqueleto principal. Tudo se mantém unido por ligamentos e músculos, o que permite que a espádua se movimente livremente.
A velocidade, contudo, restringe-se às distâncias curtas. Em provas mais longas, como a Maratona, o animal, provavelmente, não se daria bem. Além do ser humano, ele perderia para outros animais, como os resistentes cães. Um Husky Siberiano, por exemplo, pode competir em corridas de trenós de cerca de 1.800 km no frio do Alaska durante duas semanas.

Salto à distância

Se há algo unânime é que os bichanos são ótimos quando o assunto é pular longas distâncias. Para se ter ideia, um gato consegue saltar cinco vezes seu tamanho. O mais impressionante, porém, é que praticamente conseguimos atingir a mesma meta que os felinos. Quer dizer, “conseguimos”, bem entre aspas mesmo. Afinal, não podemos nos comparar com atletas que, em seus próprios círculos, são considerados sobrenaturais. Estou falando do detentor do recorde mundial, o norte-americano Mike Powell, que, em 1991, saltou incríveis 8,95m em uma competição no Japão. Ele, que tem 1,88m de altura, pulou 4,7 vezes o tamanho de seu corpo.
Quando o assunto é salto em altura, contudo, os felinos se destacam. O gatinho Nya-Suke faz sucesso na internet ao pular 1,96m para alcançar um brinquedo acima de sua cabeça. A impulsão do bichano impressiona. Levando em conta que, em média, um gato tem 50 cm de comprimento, seria como um homem, de 1,75m, pular 6,86m. Feito digno de um super-herói. O máximo que um atleta já conseguiu foi 2,45m. E olha que a meta foi difícil de atingir, tanto que ninguém ainda a superou, desde 1993, quando foi alcançada pelo cubano Javier Sotomayor, na Espanha.
A potência do salto felino pode ser explicada pelos seus poderosos músculos, que funcionam como molas e são mais flexíveis do que os de diversos mamíferos. Eles se expandem e se contraem como elásticos. Ao saltar, a força vem de suas pernas traseiras. Seus músculos são potentes e capazes de se contrair rapidamente, funcionando como catapultas quando se afrouxam, o que proporciona grande explosão muscular.
Mas e os cães? Eles também adoram pular e correr, não? Principalmente aqueles magrelos e esbeltos, conhecidos como galgos. Bom, ainda assim não seriam páreos para os felinos. Detentora do recorde mundial, Cinderela, uma cadela da raça Greyhound, pulou 1,72m de altura em 2006, nos Estados Unidos. Portanto, quando o assunto é saltar, não temos dúvidas: medalha de ouro para os bichanos.

Ginástica

Existem animais delicados, elegantes e charmosos, e existem os gatos. Não há dúvidas: a característica graciosidade que eles possuem ao se movimentar é notável no mundo animal. A força e a flexibilidade que detêm também são singulares. Habilidades que, com certeza, fariam sucesso na prática da ginástica artística.
Caso aprendessem as técnicas exigidas, os felinos iriam fazer bonito nos mais diferentes aparelhos, como a trave olímpica e a mesa de salto. Aqueles que já viram um gato brincando e pulando sabem muito bem que eles são extremamente ágeis e capazes de fazer manobras aéreas impressionantes. Muito deve-se à sua composição física. O esqueleto é leve, flexível e resistente. A coluna, que se estende até a cauda, fundamental para ele se equilibrar, é essencial para sua elasticidade. Os discos das vértebras são mais espessos do que os de muitos animais e as ligações entre os ossos são mais frouxas, corroborando para a mobilidade e flexibilidade. Já o peito, muito estreito, e as pernas dianteiras, próximas uma da outra, são ótimos para o equilíbrio. Caso precisasse se movimentar na trave olímpica, por exemplo, ele faria como se estivesse no chão.
Suas habilidades e corpo foram forjados pela natureza ao longo dos séculos. Eles evoluíram seu equilíbrio e seus músculos para subir em árvores, de maneira segura e ágil. Ao posicionarem-se em local alto, tinham visão privilegiada e assim poderiam analisar qual a melhor rota de fuga ou caça, a depender da proximidade da presa ou predador.
Na ginástica, as quedas são tão importantes quanto as manobras aéreas. E nesse quesito os gatos também são mestres. Desde que caiam de uma altura mínima de 30cm, eles são capazes de corrigir a posição do corpo antes de tocarem o chão. Possuem essa habilidade graças ao seu sistema vestibular, um conjunto de órgãos do ouvido interno que o auxilia em seu equilíbrio. Ele envia sinais ao cérebro do animal e o avisa que seu corpo está mal-posicionado para a queda. O cérebro então ativa a musculatura do felino, corrigindo sua postura ainda no ar.
Os gatos, contudo, podem sim se ferir durante as quedas. Principalmente em alturas entre um e cinco andares, explica a médica veterinária especializada em felinos, Laila Massad Ribas. “Acima de seis andares está demonstrado que os gatos conseguem abrir os membros e ‘planar’ no ar, diminuindo os efeitos do impacto no chão.” Mas ainda assim, o felino se machucará. Analisando todas as suas habilidades, não seria loucura dizer que os gatos poderiam abocanhar alguma posição de destaque no pódio dessas modalidades. Mas ao menos nossa torcida com certeza eles teriam!

Imagem meramente ilustrativa: iStock @ Basnik

NA PELE DE UM GATO Sentidos aguçados, diferenças anatômicas, conheça algumas características e curiosidades que nos distinguem dos felinos.

Miau!
Cada animal mia de uma forma, sendo que o som, geralmente, vem acompanhado de uma variação corporal, enriquecendo sua linguagem. Pode emitir uma extensa variedade de sons e até mesmo com sotaque, como alguns pesquisadores estimam. Mia também para manipular seu dono e ter seus desejos atendidos.

Pruuuuuu…
O misterioso ronronar característico da espécie pode significar felicidade, mas também que o animal está sentindo dor. O som, que pode ser de 25 a 50hertz, proporciona relaxamento aos humanos. Ainda é incerta a parte do corpo na qual ele se origina.

Imagem meramente ilustrativa:
iStock @ Global

Antenas: As vibrissas são pelos maiores e mais grossos que os do corpo, localizadas nas bochechas e acima dos olhos. Compostas por células receptoras na base, auxiliam o animal a identificar a proximidade e largura dos obstáculos, além de variações da pressão do ar.

Visão: Enxerga em um campo visual de 200º e bem o bastante em um local com 1/6 da iluminação de que precisamos, porém não chega a ver na ausência total de luz. Detecta menos cores e detalhes que os humanos e não enxerga tão bem de perto, sendo melhores caso o objeto de visão esteja de 2m a 6m de distância.

Paladar: Possui cerca de 470 papilas gustativas, que permitem que ele perceba o gosto dos alimentos. Não consegue sentir o sabor doce e não aprecia o amargo, apesar de distingui-lo, assim como os ácidos e salgados. Os principais estímulos para se alimentar são o odor e a textura do alimento.

Audição: Ouve frequências de até 65KHz. Suas orelhas têm 32 músculos e podem girar 180 graus, auxiliando-o durante a captação de som.

Batimentos cardíacos: De 120 a 240 por minuto. Quanto menor a espécie, mais rápido é o batimento cardíaco, ou seja, isso não acrescenta vantagem aos felinos em comparação aos humanos.

Neurônios no córtex cerebral: Cerca de 350 milhões.

Ossos: 245. Gatos possuem mais ossos na cauda, que não temos, e na coluna por serem quadrúpedes.

Amortecedor sensível: As almofadas plantares em suas patinhas são muito sensíveis às temperaturas extremas, auxiliam o felino a analisar o terreno, ao mesmo tempo que o protegem das superfícies acidentadas e proporcionam estabilidade nas mais lisas. Também amortecem e silenciam seus saltos e passos.

Imagem meramente ilustrativa: iStock @dima_sidelnikov

Visão: Possuímos uma visão mais focada que a deles, contudo, nossa visão periférica é menor, enxergamos um campo visual de 180º. Somos capazes de identificar uma gama maior de cores, já que possuímos células fotorreceptoras para as cores azul, verde e vermelha, oposto dos felinos, que não identificam todas as cores e as visualizam de forma desbotada.

Paladar: Possuímos cerca de nove mil papilas gustativas, dispostas em toda a língua.

Dentes: Somam 32, sendo 8 incisivos, 12 molares, 8 pré-molares e 4 caninos. Humanos que retiram os dentes do siso (terceiro molar) também têm 30 dentes, mas a proporção de cada dente não é igual à do felino. Essa diferença se dá pelo tipo de dieta. Homens são onívoros, enquanto que gatos são carnívoros, ou seja, eles não precisam de toda essa quantidade de molares. Além disso seus dentes são mais afiados para rasgar a carne e fazer com que mastiguem pouco, já que não precisam pré-digerir os carboidratos na boca, como o homem faz.

Olfato: Temos apenas cerca de 5 milhões de receptores. Devido à rotina de caçador, o felino evolui esse sentido muito mais que nós

Audição: Ouvimos até 20KHz e possuímos apenas seis músculos nas orelhas.

Batimentos cardíacos: De 68 a 86 por minuto.

Neurônios no córtex cerebral: 86 bilhões no córtex cerebral.

Ossos: 206

• Fontes: Enciclopédia Royal Canin do Gato Associação Americana de Veterinários Especialistas em Felinos – AAFP (American Association of Feline Practiotioners)
• Edições anteriores da revista Pulo do Gato

Nossos agradecimentos à Laila Massad Ribas Veterinária especializada em Medicina Felina, membro da Sociedade Internacional de Medicina Felina e autora do Portal Medicina Felina. www.portalmedicinafelina.com.br



Clique aqui e adquira já a edição 141 da Pulo do Gato!