Banho & Cia sem estresse!

Foto divulgação por Pixabay

Saiba mais sobre os hábitos da espécie, confira dicas de escovação e hidratação e aprenda a dar banho em bichanos acompanhando o nosso passo a passo exclusivo!

Apesar de nosso amigo felino ser bastante higiênico, já que consegue se limpar com as próprias lambidas e, por conta disso, não necessita de visitas periódicas ao banho e tosa como os cães, ele também precisa de cuidados especiais de higiene e beleza que deixam a pelagem e a pele bonita e, principalmente, saudável.

Antonina Silva, de Campinas – SP, ou Toninha, como é mais conhecida, tem uma Shih Tzu de 4 anos e um gatinho SRD de 12 anos. Enquanto a cadelinha Sabrina tem horário marcado no pet shop todo sábado, o bichano Miguel, mesmo tendo pelo curto, recebe escovações diárias e toma banho em casa quando está bastante sujo. “Percebo que ele está precisando ser lavado quando
dorme em cima de algum tecido claro e, depois de alguns dias, o branco do pano já não está tão branco”, conta a mamãe humana de Miguel.
Se, assim como Toninha, você se preocupa com a higiene de seu bichano, saiba como deixá-lo limpinho, bonito e saudável com as dicas a seguir.

SERÁ QUE ESTÁ NA HORA DO BANHO?

De modo geral, a periodicidade mínima para dar banho em um gato é de dois meses. No entanto, existem algumas variáveis que determinam a frequência que seu bichano deve ser lavado. O principal indicativo é a presença dos nós que resistem à escovação, principalmente nos bichanos de pelagem longa.
“Os banhos também podem ser dados quando o bichano está muito sujo, apresenta odores estranhos, coceira permanente ou fezes e urina na pelagem”, diz a médica veterinária Rachel Borges Ribeiro. “Pelos cobertos por graxa e lama são comuns nos gatos de vida livre”, exemplifica a veterinária Carolina Rezende, que ressalta que os obesos merecem atenção especial, já que não conseguem lamber as costas, por isso, podem desenvolver problemas dermatológicos como dermatites e fungos. “Fique de olho e auxilie o animalzinho em sua higiene. Mas, nem sempre o banho é necessário nesses casos. Às vezes, o simples aumento na frequência da escovação é suficiente”.
Processo semelhante acontece com os bichanos que dormem na cama com os seus tutores. “Por ser um animal muito limpo, mesmo o felino que passa a noite com seus gateiros, não precisa ser banhado, desde que seja escovado com frequência”, diz Carolina. Já Rachel, indica banhos trimestrais para esses gatinhos.

BANHO EM GATOS ADULTOS

Começar a dar banhos nesses gatos requer destreza e uma dose a mais de paciência. “Não é aconselhável forçar a adaptação dos bichanos que passaram mais de um ano sem banho, pois um momento de estresse pode baixar a imunidade deles”, orienta Raquel. No entanto, muitos gatos de vida livre são resgatados sujos e precisam ser banhados, e, geralmente, eles são os mais ariscos. “Nesses casos, precisamos cortar bem as unhas e envolver as patas em gaze e esparadrapo ou botinhas de tecido”, orienta Rachel. “Felinos muito bravos devem ser sedados por um veterinário antes do banho, pois isso minimiza os riscos de acidente tanto com o animal quanto com o responsável pelo banho”, diz Carolina.
Por isso, se você resgatar um bichano e não estiver seguro para higienizá-lo, procure um banho e tosa. Os profissionais saberão como lidar corretamente com o bichano.

LIMPINHO E SEM NEURAS

Confira as dicas dos especialistas e deixe o seu bichano higienizado e tranquilo.

• Gatos não devem ser banhados em lugares desconfortáveis, como baldes, tanques de roupas ou próximo a locais barulhentos.

• O ideal é banhar o bichano no chão com o auxílio de um recipiente com água morna. Isso evita quedas de locais mais altos.
Mas se o gatinho for tranquilo e já estiver habituado, esse processo pode ser feito em uma pia funda ou banheira suspensa, pois a posição é mais confortável para o tutor.

• Mantenha as portas e janelas fechadas para evitar fugas ou quedas.

• Separe o material que será utilizado durante o banho antecipadamente: duas toalhas, xampu, condicionador (sempre de uso veterinário), cortador de unhas, algodão para proteger os ouvidos, pente, escova, rasqueadeira e secador.

• O banho é um momento estressante para o gatinho, por isso, deve ser rápido, mas, ao mesmo tempo, realizado com muita calma.

• Sempre converse de forma calma com o bichano durante o procedimento. Isso ajuda a diminuir o estresse. Evite falar alto, pois o eco potencializa a ansiedade do gatinho.

• Use água morna e, quando estiver ensaboando o animal, deixe a torneira fechada para não assustá-lo. Lembre-se de que água fria sempre gera traumas.

• Nunca devemos jogar água diretamente no rosto de um gato. Higienizamos essa região com produtos específicos e lavamos somente do pescoço para trás. Isso evita a sensação de afogamento.

HORA DE SECAR

Nunca deixe o animal muito tempo com o pelo úmido. Seque-o com uma toalha imediatamente após o banho e, posteriormente, utilize o secador.
Diferentemente do que muitos gateiros pensam, a secagem apenas com a toalha e ao sol não é suficiente, já que os fios não secam completamente, o que pode gerar doenças de pele. Por isso, o ideal é utilizar o secador. “Observe a temperatura (que deve ser morna) e a proximidade do jato (a 30 cm do corpo) para evitar queimaduras e sensações desagradáveis que geram cada vez mais ansiedade e medo no gatinho”, pondera Dias.

ESCOVAÇÃO: GRANDE ALIADA

Esse procedimento tonifica a pelagem e a pele do gato, aumenta a imunidade cutânea e retira os pelos mortos. “Antes de se optar pelo banho, o ideal é investir na escovação, que dificulta a formação dos nós e retira grande parte da sujeira do pelo”, explica Carolina.
De acordo com Rachel, a escovação deve ser feita semanalmente em gatos de pelagem curta e, nos de pelos longos, a cada dois dias ou até diariamente para evitar formação de nós. “A escova deve ter cerdas de silicone e ser utilizada levemente para não machucar o animal. A primeira escovação deve ser realizada logo nos primeiros meses de vida para que o gato se acostume e deixe o seu tutor realizar o procedimento”, indica a veterinária. De acordo com Dias, esse processo também estreita os laços afetivos entre humanos e felinos.

Segundo o médico veterinário Carlos Gabriel Almeida Dias, até os seis meses de idade, todo gato deve ser acostumado com as situações que enfrentará em seu dia a dia. “Os filhotes podem ser habituados ao secador desde pequenos, por exemplo. Podemos ligar o aparelho e deixá-lo no mesmo ambiente que o felino para que ele se acostume aos poucos”, diz o médico veterinário.

De acordo com Rachel, o filhote pode começar a ser banhado a partir da última dose de vacina, ou seja aos cinco meses. “Os cuidados com o banho dos gatinhos são os mesmos do animal adulto, no entanto, como o filhotinho tem dificuldade para manter a temperatura corporal, devemos prestar ainda mais atenção ao processo de secagem. O bichano deve ser rapidamente e totalmente seco com o secador e aquecido com cobertores, por exemplo”, orienta Carolina.
O início dos banhos após a aplicação de antiparasitários depende da medicação escolhida. No entanto, de acordo com Rachel, geralmente os gatinhos podem ser banhados 48 horas após esse procedimento.

Foto de Daniel por Pixabay

BANHO DE GATO É O SUFICIENTE PARA MANTÊ-LO LIMPO?

De acordo com Dias, a autolambedura felina, o famoso banho de gato, além de remover sujidades e cheiros estranhos do animal, permite que o bichano distribua de forma homogênea os odores e a oleosidade protetora natural da pele e dos pelos. “Assim, a lambedura é suficiente para deixá-lo limpo, com cheiro de gato ou de nada para quem está acostumado”, diz o profissional.

No entanto, essa característica autolimpante dos bichanos divide a opinião dos médicos veterinários sobre a necessidade desse procedimento higiênico. “Sou a favor do banho apenas com indicação terapêutica. Os felinos não toleram banhos excessivos, não por medo da água, mas porque esse momento pode gerar ansiedade e desconforto”, diz Dias, que pondera: “O banho terapêutico é indicado pelo veterinário a partir de alterações na pele e no pelo. Já o banho destinado à limpeza e higienização é dado de acordo com o tipo de pelagem e grau de sujidade. Mas, é preciso bom senso sempre”.
Já Rachel diz que nem sempre a lambedura é suficiente para todos os bichanos. “Sou a favor do banho quando realizado de forma e na periodicidade corretas. Os gatos de pelagem longa, por exemplo, necessitam ser banhados a cada dois meses, pois o acúmulo de ácaros e nós podem ocasionar problemas dermatológicos. Além disso, a escovação substitui o banho apenas para gatos de pelagem curta, que podem ser banhados a cada quatro meses”.

Apesar dos diferentes pontos de vista, os profissionais concordam que mais de um banho por mês não é indicado para os bichanos.

Foto de Rishi Rai por Pixabay

BOLA DE PELOS: O DILEMA DOS BICHANOS

Muito comuns na espécie, as bolas de pelos resultam da lambedura felina. Como a língua do gato é extremamente áspera, os pelos soltos acabam sendo engolidos. Geralmente esses fios são expelidos pelas fezes. No entanto, alguns podem permanecer no estômago ou no intestino delgado,
obrigando o bichano a eliminá-los.

As bolas de pelos podem causar diminuição do apetite, prisão de ventre e, em casos mais raros, obstrução intestinal e pelos presos no esôfago, o que exige cirurgia para corrigir o problema.

Gatos de pelos longos e os que soltam muito pelo e se lambem excessivamente são particularmente mais propensos a formar bolas de pelos. Por isso, é importante ressaltar, mais uma vez, a importância da escovação, que retira os pelos mortos da pelagem do felino, evitando que ele engula muitos fios durante a lambedura e, consequentemente, ameniza os problemas estomacais de bolas de pelos.

NOVAS TENDÊNCIAS EM HIDRATAÇÃO Para deixar a pelagem dos gatos ainda mais bela, saudável, brilhosa e sedosa, o mercado pet disponibiliza diversos produtos que hidratam os pelos dos bichanos. exposição ao sol, chuva, poluição, urina e até mesmo ao secador desgasta e danifica os pelos, que começam a ficar ressecados e quebradiços.
A hidratação repõe nutrientes da pelagem, condiciona os fios, os envolve em películas protetoras e ajuda as camadas das cutículas (como se fossem escamas do fio) a cobrirem o eixo da pelagem.
Como o banho do felino deve ser rápido para não estressá-lo, as novas tendências em hidratação para a espécie apresentam produtos que desempenham diferentes funções ao mesmo tempo, como limpeza e hidratação, por exemplo. Além disso, os bichanos já podem usufruir de itens de alta tecnologia da cosmética humana, como os famosos óleos de argan e a tecnologia BB cream.

Agradecimentos aos colaboradores:

Carlos Gabriel Almeida Dias Médico veterinário (UFRJ). Mestre e doutor em ciências veterinárias (UECE). Proprietário da clínica C. A. T. para Gatos (RJ) e prof. de clínica médica da Universidade Castelo Branco (RJ). www.facebook.com/cat.paragatos e clinicaparagatos.blogspot.com.br

Carolina Rezende Médica veterinária pela UFF Atua na Gatos e Gatos Veterinária.
pluftblum@yahoo.com.br

Rachel Borges Ribeiro Médica veterinária
vet.rachel@gmail.com

ICMG/ Me. Sérgio Villasanti Esteticista animal – Professional Groomer
www.escolaesteticacanina.com.br


Clique aqui e adquira já a edição 141 da Pulo do Gato!