Sphynx: do que ele precisa para ser feliz e saudável?

Sphynx: pela ausência de pelos, a raça exige cuidados especiais – oto: Johnny Duarte/ Gatil Domus/ Gato: Domus Rumb

Confira manual completo de cuidados e necessidades dessa raça que se destaca por ser exótica, companheira e cheia
de energia

Seu sucesso é mundial e sua popularidade cresce a cada ano entre os amantes de gatos. Nos Estados Unidos, por exemplo, o Sphynx ficou em nono lugar no ranking de felinos mais amados no país, segundo dados de 2020 da Cat Fanciers Association (CFA). Por aqui não é diferente. “São gatos com qualidades maravilhosas, são carinhosos, sociáveis e tolerantes, o que os torna um ótimo animal para companhia com um comportamento engraçado e brincalhão. Derretem o coração de seus tutores e ganham novos fãs a cada dia”, destaca Janaina Mirla Costa Galvão, do gatil Domus, de Jundiaí, SP, que cria a raça há 7 anos. “Eles são amorosos, inteligentes e adoram a companhia de humanos e outros animais”, acrescenta Élica dos Santos, do gatil Portal de Hórus, de Ribeirão Pires, SP, que se dedica à raça há 11 anos. A seguir, as criadoras listam dicas essenciais para quem tem ou quer ter um gato dessa raça. {PAYWALL_INICIO}

Grude diário

Se você não é chegado em gato que te segue pela casa, entra no banheiro com você ou te escala para ter atenção e carinho, o Sphynx pode não ser a melhor companhia. “Eles acordam conosco e, se o dono deixar, participam de todas as atividades. Quando nos sentamos para assistir televisão ou trabalhamos no computador, sempre estão presentes, se alisando e ronronando muito”, garante Élica. “Um Sphynx só quer atenção para ser feliz”, enfatiza Janaína, que aponta como diferencial da raça o fato de adorarem receber carinho até de visitas e pessoas que não conhecem. “Recebem a visita na porta e adoram andar de carona no ombro dos tutores, feito papagaios. São muito fáceis de agradar e adoram demonstrar seu amor pedindo colo. São muito carentes e buscam contato físico o tempo todo”, acrescenta. Assim, se você viaja com frequência e passa muitos dias fora, a raça não é recomendada. “Eles são muito apegados aos donos e sentem a falta deles”, enfatiza Janaína. “São ótimos gatos para idosos, crianças e pessoas com necessidades especiais, pois buscam contato o tempo todo e são muito tolerantes, e isso estimula a interação”, conclui a criadora.

Truques de sphynx

Outro ponto da raça é sua inteligência e facilidade para aprender truques como buscar bolinhas e ratinhos e trazer de volta para seu tutor, ou ainda passear de coleira e guia na rua, diz Janaína. 

Foto: Gatil Portal de Hórus/ Gatos: Luffy (bicolor blue & white) e Oliver (bicolor cream tonkines & white)

Sempre quentinhos

Por serem peladinhos, são mais sensíveis ao frio que raças de gatos com pelo, mesmo que a temperatura corporal do Sphynx seja um pouco mais elevada (por volta de 39 e 40 °C, enquanto os demais felinos costumam ter 38 °C). “Adoram colocar roupas e se aninhar em um cobertor quentinho. Se você não quer um gato dormindo na sua cama, sofá, cadeira e às vezes dentro dos seus armários, essa raça não é para você”, conta Janaína.  

Higiene e beleza

O ponto que talvez seja o mais importante no manejo da raça é a manutenção da higiene. Muitos pensam que por não serem dotados de pelos, esses felinos não precisam de muitos cuidados nesse quesito. Porém, estão enganados. “Por não ter pelos, a pele não consegue eliminar a oleosidade natural, que acaba se acumulando”, explica Janaína. Assim, eles precisam de banhos, no mínimo quinzenais e no máximo semanais. “A limpeza do corpo deve ser feita com xampu neutro próprio para gatos e, nos intervalos, pode ser usado lenços umedecidos. Cuidado com o excesso de banho, ele pode causar efeito rebote na pele dos Sphynx”, ensina Janaína. “É preciso usar produtos específicos para animais que não retirem toda oleosidade natural da pele deles”, reforça Élica, que lembra a importância de realizar limpeza de ouvidos semanal na raça. “Eles acumulam muita secreção de cor escura”, explica. Janaína também indica a limpeza diária dos olhos com uma gaze ou algodão macio com soro ou água filtrada, para retirar a remela amarronzada que produzem. “As unhas devem ser aparadas a cada 10 dias – para que não arranhem a própria pele e os móveis da casa – e limpas com lenço umedecido”, acrescenta. Élica ainda destaca que, embora não tenham pelos, não são gatos hipoalergênicos. “Isso porque a alergia é causada por uma substância presente na saliva e não no pelo em si”, explica. 

Foto: Arquivo do gatil Domus

Cuidado com o sol

Embora felinos sejam loucos por banhos de sol, é preciso cuidado na exposição solar do Sphynx. “Ela deve ser controlada, e permitida somente nos horários mais amenos para evitar queimaduras que podem ser bem graves por sua oleosidade e ausência de pelos. São gatos para ficar dentro de casa com acesso controlado ao sol e não devem usar protetor solar”, ensina Janaína. Assim, Élica lembra que o Sphynx nunca deve ser deixado fora de casa, sem abrigo. 

Tolerância à solidão

A raça fica bem sozinha por um período de 6 a 8 horas, quando o tutor precisa trabalhar, estudar, enfim, um período “normal” de ausência. “Mas quando você chega, o Sphynx tem muito amor acumulado para te dar, então tem que estar preparado para seu chicletinho de gato”, alerta Janaína, que aconselha o uso de arranhadores e brinquedos, que ajudam o gato a esperar o tutor com menos ansiedade. “Vivem muito bem com outros gatos, adoram ter irmãos”, completa a criadora. 

Energia alta

 Não se engane pela expressão doce e serena da raça. Sphynx são bastante animados. “São gatos com energia alta que adoram brincar com outros pets, com varinhas, bolinhas e são caçadores excelentes”, aponta Janaína. 

Foto: Areta Dias/ Gatil Portal de Hórus/ Gato: Odie

Gato comilão

Janaína conta que os exemplares são comilões pela necessidade que têm em manter a temperatura do corpo – que, como dito anteriormente, é mais alta do que a de um gato comum. “Cuidado com o excesso de ganho de peso, que é comum na raça e pode ser evitado com rações para gatos castrados ou light, dependendo de cada caso”, aponta. “Comem muito e bebem muita água, pois seu metabolismo é acelerado, e precisam de alimento de boa qualidade para se manter saudável”, acrescenta Élica.  

Saúde de ferro

Quanto à saúde Janaína diz que são gatos muito saudáveis se houver manejo correto. “Porém, ele tem trato gastrointestinal bem sensível, então trocas de ração e acréscimo de petiscos à dieta devem ser feitos com muito cuidado”, alerta. Além disso, as criadoras apontam a cardiomiopatia hipertrófica felina (HCM) – doença que provoca o espessamento da musculatura da parte esquerda do coração – como sendo a doença genética que mais acomete a raça. “Ela pode ser diagnosticada com ultrassom, mas estudos já estão sendo desenvolvidos para um teste por DNA para que a doença seja diagnosticada precocemente. Hoje, bons criadores fazem o controle com ultrassons periódicos em seu plantel”, compartilha Janaína.


Por: Samia Malas

Agradecimento:

Élica dos Santos: Gatil Portal de Hórus (Facebook: gatilportaldehorus);

Janaina Mirla Costa Galvão: Gatil Domus (www.gatildomus.com.br).


{PAYWALL_FIM}