Tosar, retirar o sub pelo ou nenhum dos dois?

Diante do dilema sobre tosar ou não gatos de pelagem mais comprida, como criador e cuidador de gatos de raça desde 1999, posso dizer que existem problemas parecidos em todos os gatos com pelos longos e semilongos que apresentam os inconvenientes de embaraços na pelagem, porém não deixam muitos pelos espalhados pela casa. Todos os felinos passam por mudanças sazonais na pelagem, e é muito comum ouvirmos queixas e preocupação sobre isso, além, é claro, do incomodo com a sujeira. Não precisa ser assim, a convivência com os gatos deve ser prazerosa tanto para o tutor quanto para o felino, basta um cuidado carinhoso, tão simples, que vai fazer toda a diferença. A seguir, ensinarei como isso é possível.

 
Foto: Arquivo pessoal

Quando o pelo se torna um problema

Os gatos de pelagem semilonga, como todos os outros, se lambem para auto-higienização ou por motivos comportamentais. Em épocas de muda de pelagem está mudando, o bichano acaba engolindo grande quantidade de pelos, que vão gerar ‘bolas’ em seu sistema digestivo e causar mal-estar considerável, até mesmo crises de vômito. Em casos mais graves essas bolas de pelos podem se concentrar, obstruindo o intestino, sendo necessária intervenção cirúrgica. Mesmo que se consiga mover o “tampão de pelos” sem cirurgia, esse processo causará alto nível de estresse com consequências imprevisíveis.

Por esse motivo, além da facilidade no manejo dos gatos, recomendo sempre a remoção do subpelo ao menos uma vez no ano, geralmente no início do verão. Nos Estados Unidos, vários criadores optam pela Tosa Leão, ou Lion Cut, uma alternativa atraente que visa a diminuição do tempo gasto com cuidados e dos custos que se elevam consideravelmente. Outro fator relevante que me faz tosar a pelagem maravilhosa do Persa é quando tenho que tratar de algum problema de pele mais resistente, daqueles que o bom e velho banho não dá conta, pois isso facilita a aplicação da medicação e a precisão da dosagem, e também faz com que o controle da lesão seja muito mais e ciente. Acho que quando o assunto é saúde, a beleza pode esperar um pouco. Em tempo, gostaria de lembrar que, ao falar de pelagem magnífica, estou me referindo à pelagem cheia e deslumbrante de meus gatos Exóticos também, que, apesar da lenda popular, têm os mesmo problemas e delícias da pelagem dos Persas.

Remoção do subpelo

No Brasil, a maioria das pessoas ainda vê com certa reserva a tosa de gatos, mesmo no verão. Assim, uma alternativa viável e que assegura a higiene e a beleza do bichano, além de sua saúde e bem-estar, é a remoção do subpelo, que pode ser feita em casa com escovas especiais para ressem, vendidas em pet shops de todo Brasil. Esse procedimento, muito simples, também pode ser realizado por pro ssionais capacitados para garantir que o gato que lindo e feliz o ano todo. Ao remover o subpelo, o gato não fica totalmente descoberto, a pelagem fica mais arejada por conta da menor quantidade de fios.
Seria ideal que a remoção acontecesse nos períodos de troca de pelagem, em geral duas vezes ao ano. No começo da primavera ocorre a muda da pelagem farta de inverno que cai dando espaço à pelagem menos lanosa e mais arejada do verão, que é constituída, em sua maior parte, por “pelos principais”. Já no outono, ocorre o inverso, a maturação dos os principais do pelo do gato, aqueles que constituem o manto externo, que caem abrindo espaço para a pelagem lanosa, rica em subpelo que o protegerá do frio. É justamente nesse período de transição que devemos ajudar os felinos em sua troca de pelagem, para manter sua higiene e proteger sua saúde.

Foto: Arquivo pessoal

Tosa na tesoura e remoção de subpelo: qual a diferença?

Com todas essas explicações você deve estar se perguntando: qual a diferença entre a tosa na tesoura e a remoção de subpelo em Persas? Isso vai depender de seu objetivo. Se quer que o gato que com aspecto de ursinho de pelúcia, é preciso fazer a tosa na tesoura e apenas uma escovação, sem remoção de subpelo. Nesse caso, a aparência do gato caótica, mas ele vai continuar soltando pelo, pois o excesso da pelagem não foi removido, apenas cortado. Para que não solte tanto pelo, é preciso remover o subpelo. Nesses casos, o gato ca com um pelo mais arejado e com baixo volume. Porém, nas raças em que não haja volume de pelagem, como no Persa, a tosa na tesoura não tem o mesmo resultado, mesmo se o subpelo for mantido.

E os de pelo curto?

É importante notar que, apesar de estarmos falando de raças mais peludas, a remoção de subpelo deveria ser adotada por todos que amam e se preocupam com o bem-estar de seus gatos, de todas as raças, inclusive os SRDs e gatos de pelo curto, cuja necessidade de ter o subpelo removido é ainda maior visto que não podem ser tosados. Todo gato possui subpelo, as únicas exceções são as raças Angorá Turco (mas ainda existem exemplares de exposição com algum subpelo) e os Siameses puros (não os “bolinhas”, que têm muito subpelo!).

Pelagem e calor

Existem outros fatores que in uenciam na decisão de tosar um gato de pelagem longa, o calor intenso do verão brasileiro é um deles, pois para os humanos, a sensação é sufocante. Já no gatos, a pelagem é projetada pela natureza para cumprir a função de regulador térmico e, portanto, em situação normal, não sofrem com isso, mas os que vivem em gatis, por exemplo, podem sofrer com o calor de maneira mais intensa, pois os espaços são habitados por muitos indivíduos e nem sempre permitem que o gato se refresque como gostaria. Isso pode, em raros casos, causar déficit de desempenho de seu sistema imunológico por conta dessa variável ambiental. Ou seja, se houver desconforto signicativo, é melhor tosar.

Fotos: Arquivo pessoal


OPINIÃO DE CRIADOR

Criadora das raças Persa e Exótico há 8 anos, Denise Locateli, do Gatil Tao Bast, dá sua opinião sobre tosar ou não gatos
“Adoro pelagens fartas e exuberantes, acho lindo e gosto de cuidar. Tratar da pelagem me relaxa e me distrai, e ajudou a melhorar signicativamente minha saúde na luta contra um câncer. Se não houver nenhum fator que dificulte, eu pre ro deixar a pelagem íntegra, e somente fazer a retirada do subpelo no verão. Acho que as pessoas que se incomodam com pelos deveriam pesquisar e procurar raças de pelo curto, pois nos Persas, a pelagem é item de destaque e deveria estar sempre linda e bem cuidada. Mas, cada caso é único, e cada casa também.
Quando se trata de um proprietário com um número pequeno de gatos, uns três ou quatro, fica até bem fácil manter os animais saudáveis e limpos, com a pelagem inteira, pois, se banhado semanalmente e penteado diariamente, a pelagem não embaraça e, se retirando o subpelo no verão, a quantidade de pelos soltos no ambiente  fica muito reduzida. Lembrando que deve-se sempre procurar um bom pro ssional para qualquer tipo de procedimento que envolva alterações na pelagem, por exemplo, banhos, tosas ou remoção de subpelos.

Quando se tem uma criação maior de gatos o assunto é um pouco mais complicado, pois temos de levar em conta que o tempo e a atenção do proprietário  cam bem mais divididos, e é nessa lacuna que os problemas acontecem.
Felinos de pelagem longa possuem predisposição natural a dermatites e infestação de fungos. A oleosidade natural da pele do gato é o alimento perfeito para Denise Locateli, do Gatil Tao Bast: prefere os Persas bem fofinhos e peludos vários tipos de fungos e isso, alia- do ao fato de a pele estar constantemente encoberta, formando um ambiente escuro e aquecido, é a receita do desastre.
Então, no caso de não poder manter uma socialização diá- ria da pele e da pelagem de cada bichano, o melhor para o gato é ser tosado. E acaba sendo melhor para o proprietário também, que vai ter tempo e custo de manejo reduzidos”. Economia na hora do banho.

A escassez de água na cidade de São Paulo foi outro fa- tor importante que influenciou na tosa de gatos. Temos que economizar água nos banhos se quisermos ter água para beber. Infelizmente, por esse motivo, fui muito mais radical na questão da tosa, e todos os gatos que não irão participar do circuito de exposições em 2015 já foram ou serão tosados. Fiquei triste com isso, mas não é coerente pregar a necessidade da economia de água, e continuar a gastar horas nos banhos.
Todos os gatos que estão participando de exposições e que, portanto, não poderão ser tosados, terão todo subpelo retirado, o mesmo acontecerá com os filhotes. Para as gatas grávidas e filhotes maiores estou planejando tosa na tesoura. Isso diminui drasticamente o tempo de cada banho e a economia de água é grande.
Como já disse, cada caso é único, mesmo se tratando da mesma casa, as necessidades in dividuais forçam tomadas de decisão diferentes para cada felino.

Val Santarem
Criador da raça Maine Coon, Bengal e Ragdoll Groomer especializado em estética felina. groomerplace@maniaspet.com.br www.escolabanhodegato.com