Eu quero colo

Todos os donos de gato sabem o que significa a chegada do Inverno: pedidos insistentes de colo. Após estarmos sentados com nossos gatos no colo, qualquer tarefa em pé torna-se um suplício sem fim, já́ que os felinos parecem colados às nossas pernas e não querem descer de jeito nenhum. Agora mesmo, enquanto escrevo a matéria desse mês, tive que me desvencilhar pelo menos oito vezes da minha gatinha, Valentina, para atender ao telefone. Parece até que o mais indiferente dos bichanos subitamente se apaixona pelo dono; e não desgruda da gente pra nada. Essa situação lhe é familiar? Que tal, então, entendermos melhor porque nossos bichanos ficam repentinamente tão carinhosos nesta época do ano.

O relacionamento dos gatos com seus donos, como já expliquei em edições passadas, é o mesmo dos filhotes com sua progenitora. Por incrível que pareça, os felinos têm uma relação muito diferente com a mãe, do que aquela que têm com os outros gatos. Um exemplo disso é a comunicação através de miados, que só́ ocorre com a gata e, assim, é transferida ao dono depois que os filhotes se tornam adultos. E como criamos laços muito estreitos com nossos bichinhos, os gatos nos tratam como se fossemos suas mães, independente do nosso sexo.

Esse desejo incontrolável por um colo parece ter a ver com a vontade de se aconchegar com a família. É um local quente e seguro, que traz um prazer indescritível aos bichanos. Uma prova disso são os movimentos de “afofar” que fazem com as patinhas para se ajeitar. Vocês provavelmente sabem do que estou falando, é aquele movimento de empurrar e recolher os dedos

 

Gato: Samuel  Proprietária: Tatiana Alves Foto: Marcelo Palmeira
 

Para que essa insistência vire obsessão, estamos a um passo. Infelizmente não é todo tempo que podemos carregar nossos gatos, e existem horas em que não é conveniente segurá-los. E quem tem gatos compulsivos sabe do que estou falando. Não é uma manhã inteira com um bicho quentinho e macio sobre suas pernas. Eles querem 24 horas mesmo; e é isso que faz com que percamos a paciência. Eu chamo até meus gatos de bumerangue quando fazem isso. Por mais que os coloque no chão, eles sempre voltam! E eu sou muito afortunada, porque desde que nasci sou feliz proprietária de felinos e nunca nesse tempo todo tive um que não gostasse de colo (acredite, existem uns poucos gatos que não gostam); todos amam, para piorar a situação.

Para resolver o problema você̂ deve prestar muita atenção em seus atos. Se o seu gato miar pedindo colo, não atenda imediatamente, para que ele não associe o miado ao colo. Ignore- o por alguns segundos e, assim, quando ele parecer desinteressado, deixe que suba, ou coloque-o sobre suas pernas. Tente evitar a associação “mio, recebo colo”, para que esse comportamento não se repita. Caso o simples fato de ignorar os miados não resolva, e um não bem firme não impeça a insistência, use um spray de ar comprimido, desses usados para limpar teclado de computador. Tire o alongador fino, e use a lata somente pelo barulho que faz. Sem olhar para o seu bichano, acione o spray na cara dele, para que pare o que está fazendo na hora.

Gato: Samuel Proprietária: Tatiana Alves Foto: Marcelo Palmeira
 

Ele provavelmente vai se afastar, com a vantagem de não associar a punição com você̂. Uma vez deverá ser o suficiente, mas se mesmo assim seu gato continuar insistindo, use um borrifador de água. Lembre-se que nenhuma das duas correções é considerada desumana e que impor limites ao relacionamento de vocês também faz parte. Continue colocando seu gato no colo, mas na hora que lhe convier e não o contrário. Sempre que não estiver disponível, ignore os miados e deixe que ele encontre outro local para se deitar. Se, por outro lado, dar colo não é problema, delicie-se com a chegada do Inverno e dê muito carinho ao seu gato, pois não tem coisa mais gostosa nesta época do ano que ser aquecida por eles!


Artigo de Luelyn Jockymann,
médica veterinária especialista no comportamento de cães e gatos –
Animaletto Saúde e Bem-estar de Cães e Gatos. 
luelyn@terra.com.br