Banner

Receita do gato feliz: 10 dicas imperdíveis

Categoria: Estilo de Vida

Autor(a): Samia Malas | Colaborador(es): Jornalismo Top.Co. | Cidade: Campinas - SP | 07/08/2017 - 10:50

Confira nossas dicas e alegre, ainda mais, o cotidiano de seu bichano, oferecendo distração, brincadeiras e saúde para ele
Foto meramente ilustrativa ©iStock/ Foonia

Foto meramente ilustrativa ©iStock/ Foonia

Para você que se esforça diariamente para tornar a vida de seu companheiro felino mais agradável e feliz, a Pulo do Gato listou informações importantes que vão te ajudar, e muito, nessa tarefa. Todas baseadas em estudos científicos. Confira nossas dicas e use-as sem moderação!

1. CONVERSE COM SEU GATO E ENTENDA SUAS VONTADES
Essa dica já é posta em prática pela maioria dos gateiros. Quem não curte bater um papo com o bichano? Principalmente com aqueles mais tagarelas que costumam iniciar a conversa assim que chegamos em casa. Pesquisas já comprovaram que grande parte dos sons emitidos pelos gatos são voltados para a comunicação com humanos. O estudo de Nicholas Nicastro, pesquisador da Universidade de Cornell, Estados Unidos, que analisou uma amostra de 100 vocalizações diferentes emitidas por 12 gatos, confirmou que miados mais longos indicam aflições do felino (como fome) e os mais curtos, mostram prazer (veja mais sobre os diferentes tipos de miados na edição 88, da Pulo do Gato). 

2. CRIE VÍNCULOS COM O GATO
 
Embora eles tenham atitude independente e pose de “donos do próprio focinho”, felinos gostam de ter vínculos com seus donos. E mais, uma relação positiva conosco é fundamental para o bem-estar deles. Aliás, a melhor forma de evitar que gatos adquiram comportamentos inadequados é a prevenção, ou seja, não tornar o ambiente hostil e estressante para eles, o que pode acarretar distúrbios diversos como compulsões, eliminação fora da caixinha sanitária e até agressividade. Repreender o bichano com jatos de água, gritos ou barulhos diretamente direcionados a ele não é educar, apenas o deixa mais arisco e assustado. Para se construir uma boa relação com o gato e conquistar seu coração, além de todas as dicas listadas acima, atos como escovação da pelagem, brincadeiras interativas (como as de varinhas com penas nas pontas) e até permitir que o bichano durma na cama com você ajudam na construção desse vínculo. “É importante frisar que os gatos se entediam facilmente. São animais muito inteligentes e, por isso, precisam ser intelectualmente estimulados. E a melhor maneira de fazê-lo é interagindo com eles”, enfatiza Carlos C. Alberts, professor de Zoologia da Unesp, especializado em felinos. O especialista lembra que muitos gatos ficam o dia inteiro sozinhos e, mesmo que durmam durante bastante tempo, ficam muito entediados. “Os brinquedos podem aliviar a solidão, mas eles são inanimados. Ficam muito mais interessantes quando manipulados pelo humano”, explica. Se possível, dê a ele um espaço aonde possa ir quando quiser tranquilidade. Pode ser um quarto a mais da casa ou um quartinho de serviço pouco frequentado desde que ele tenha acesso a sua caixa de areia e ao alimento.       
Assim, a dica final do especialista é, mesmo que chegue cansado em casa, disponibilize sempre um tempo para seu bichano. “Você também vai aproveitar muito”, finaliza.

3. REGRAS DE ETIQUETA FELINA

Gatos são animais cheios de manias e vontades, por isso também que são supercharmosos e fascinantes. Porém, muitos donos,  pecam no quesito “respeito” quando não obedecem algumas pequenas regras básica da etiqueta felina. Por exemplo, quando gatos estão nas alturas, em prateleiras, móveis e outros locais altos, gostam de ter a sensação de que observam tudo, mas não podem ser vistos. Então não fique chamando, passando a mão ou olhando para ele quando estiver lá. O mesmo acontece quando um gato entra em um local da casa e o dono, automaticamente, começa a olhar para ele e conversar. Gatos gostam de sentir que estão circulando pela casa despercebidamente. Quando estiverem escondidos em suas caixas ou tocas supersecretas, não os perturbe, eles gostam de ficar tranquilos em seu “santuário” privado. Outra dica, é sempre deixar que o gato dê o primeiro passo. Não o force a ficar no colo, por exemplo, espere que ele venha se aninhar em seu colo quando quiser. 

4. JANELAS OU VARANDAS: ELE PRECISA OBSERVAR
 
Gatos são muito curiosos e adoram passar horas olhando o que acontece na rua, no quintal dos vizinhos, quem passa vendendo o que naquele horário, enfim, monitoram tudo que se passa ao redor. Contudo, para os que vivem indoor (dentro de casa), essa necessidade é mais limitada. Uma solução é permitir que permaneçam em locais como janelas ou sacadas teladas, ou seja, seguros, para poderem ficar de olho no movimento. Desse modo, eles também poderão realizar outra atividade que adoram: tomar  sol, especialmente quando o tempo está frio ou fresco (nunca quando está muito quente), para terem conforto térmico. De acordo com Carlos, eles preferem ambientes ensolarados de manhã e os sombreados à tarde. “Além disso, ficar perto de outros gatos da casa (quando se dão bem) ou dos humanos para se esquentar é igualmente importante para eles”, completa.

5. ÓLEO DE COCO PARA O BICHANO 

Como gatinho saudável é gatinho feliz, além de todos os cuidados que felinos necessitam como vacinação, vermifugação, ração de qualidade, água sempre fresca disponível, etc., existem “truques” que podem dar um empurrãozinho na garantia da saúde de seu bichano. Conhecido por ser benéfico aos humanos, o óleo de coco também pode ser usado em gatos (e cães). Sua indicação é para hidratar a pelagem, ajudar na cicatrização de feridas e ainda deixa as moscas bem longe de seu felino, pois é um repelente natural. Quanto ao consumo do ingrediente via oral, ainda existem poucas pesquisas no assunto. O nutricionista Bruce Fife, pesquisador do Coconut Research Center, em Colorado, nos Estados Unidos, e autor do livro Coconut Therapy for Pets (à venda no site www.amazon.com, por $12,95) recomenda o uso. Contudo, segundo a nutricionista Vivian Predrinelli, colaboradora do site nutricao.vet.br, alerta que ainda não se sabe se o óleo de coco efetivamente tem impacto positivo em gatos. “Outro ponto essencial que vale lembrar é que a aceitação desse óleo pelos animais é baixa, pois ele não é muito palatável”, ressalta. Assim, antes de integrar o óleo na dieta de seu gatinho, consulte um médico veterinário. 

Ficou curioso para saber mais? Clique aqui e adquira já o seu exemplar da edição 89 da revista Pulo do Gato!