Banner

Autogrooming felino

Categoria: Felinos

Autor(a): Luelyn Jockymann | Colaborador(es): Jornalismo Top.Co. | Cidade: Campinas | 05/07/2017 - 15:32

“Situações estressantes para os gatos farão com que parem de realizar seu grooming normalmente”
Foto meramente ilustrativa | Proprietária: Fernanda | Foto: Marcelo Palmeira

Foto meramente ilustrativa | Proprietária: Fernanda | Foto: Marcelo Palmeira

Esta semana atendi uma cliente que reclamava que seus gatos estavam com muita caspa. Nenhum xampu havia adiantado e, além disso, estava perdendo muito pêlo. Parece bobagem, mas é uma queixa bastante comum de alguns clientes. O que a maioria não sabe é que não é que os seus bichinhos estejam perdendo mais pêlo, ou tendo problemas de pele, eles não estão é se lambendo como deveriam. Sabe aquele “banho” de horas em cima da poltrona predileta? Pois é, não está mais acontecendo. Será que esses gatos viraram “porquinhos?”

Os gatinhos começam a se lamber com cerca de duas semanas de idade. A própria língua dos felinos pode ser considerada uma espécie de pente, já que a orientação das papilas facilita a higiene do pêlo, especialmente por serem cornificadas. As sessões de limpeza começam normalmente assim que os gatos acordam de uma soneca ou acabam de comer. O padrão é da cabeça em direção a cauda, e pode envolver também mordiscadas na pele e até arrancamento de tufos de pêlos. 

As áreas de corpo que não podem ser atingidas com a boca são limpas pelas patinhas traseiras e dianteiras. Para deixar a cabeça e focinho asseados, os gatos lambem repetidamente a parte interna das patinhas dianteiras, até ensopá-las com saliva (eca), antes de esfregá-las. Depois terminam retirando toda sujeira das patas, tornando a lambê-las.

Quando dois gatos vivem juntos e se dão bem, é comum banharem um ao outro especialmente na região da cabeça, local de difícil acesso para si mesmos. As fêmeas lambem outras fêmeas e machos, enquanto machos só lambem fêmeas. Entretanto se só existem fêmeas na casa, elas dificilmente irão lamber umas as outras. Esse comportamento pode ser estendido aos seres humanos, na forma de sessões de carinho. Alguns gatos, enquanto acariciados, podem até lamber seus donos, retribuindo a gentileza. A maioria aceita nosso alisamento indefinidamente, porém de outro felino suporta a interação por curtos períodos de tempo.

Não-realização do grooming pode ser sinal de problema

Qualquer situação estressante para os gatos fará com que parem de realizar seu grooming normalmente. As doenças são as maiores culpadas e a sujeira da pelagem pode ser um indicativo de que o animal não anda bem. No consultório a reclamação dos clientes é de que o gato não está comendo e também está perdendo pêlo. Isso já nos diz que ele não está se sentindo bem, por isso se lambe menos, e não exatamente está com perda de pêlos. Outras possíveis causas são mudanças em sua rotina e no ambiente em que vive, como a chegada de um bebê ou de um cão. Uma boa alternativa nesses casos é providenciar uma caixa de papelão para que o gato tenha privacidade sempre que desejar. Se ele estiver se sentindo invadido ou observado, terá um refúgio para poder tomar seu banho em paz.

Já, por outro lado, excesso de grooming também é sinal de problema. Assim como falta de higiene é alerta de estresse. Excesso de lambidas está associado ao tédio, falta de carinho e contato humano. Os locais mais visados para as lambidas são o abdômen e parte interna da coxa. Podem também aparecer rarefação de pêlos no dorso, na região lombar. Para que o médico veterinário estabeleça um diagnóstico de estresse, é preciso uma série de exames. Preste atenção, já que alergias a picada de pulgas ou outros produtos de casa, como cigarro e perfume, além da própria ração, devem ser descartados antes de sequer cogitarmos um distúrbio comportamental. É preciso fazer um raspado de pele, hemograma, entre outros exames para que se tenha certeza da saúde do gato, antes de lhe atribuir qualquer problema psíquico. Já escrevi em outras edições sobre Alopecia Psicogênica, onde podem ser encontradas informações mais detalhadas sobre esse problema comportamental.

Assim, fiquem sabendo, caros leitores: se vocês têm um gato “caspendo” em casa, é preciso procurar seu médico veterinário para ter certeza de que está tudo bem. Lembre-se que as chances dele ter um problema de pele são infinitamente menores do que ser somente falta de lambidas. Tente descobrir a causa. Veja se houve alguma mudança em sua rotina. Se existem dois gatos na casa, preste atenção se eles estão se dando bem. Aumente a escovação, se possível, e se for um gatinho gordo, que tal pensar num regime? Se estiver mais magro, o gatinho irá alcançar mais facilmente seu corpo inteiro e assim ficar totalmente limpo e pronto para ser afofado.

 

Luelyn Jockymann é médica veterinária especialista no comportamento de cães e gatos – Animaletto Saúde e Bem-estar de Cães e Gatos - luelyn@terra.com.br