10 cuidados com os gatos para o inverno

Categoria: Felinos

Autor(a): Karen Natasha | Colaborador(es): Jornalismo Top.Co | Cidade: Campinas/SP | 23/05/2017 - 12:15

Clima frio exige atenção especial com felinos, principalmente filhotes e idosos
Chepko/iStock.com

Chepko/iStock.com

As temperaturas ficam mais baixas, anoitece mais cedo e os gatos buscam se aconchegar próximo aos cantos mais quentinhos da casa, o que inclui o colo de seu dono. Com a chegada do inverno, é preciso ficar atento a adaptações sutis no dia a dia, para que o felino continue forte, saudável e aproveite cada segundo da estação mais fria do ano ao seu lado.

1 - Como saber se meu gato está com frio?

A veterinária pós-graduada em Clínica Médica de Felinos, Alessandra Maia lembra que, em estações frias, muitos gatos ficam encolhidos, com pelos arrepiados e mais próximos de seus tutores e companheiros felinos. Entram debaixo de cobertas, se escondem em armários, ficam debaixo e atrás de geladeiras e procuram passar mais tempo expostos ao sol, fazendo de tudo para se aquecer, especialmente os gatos de raças peladas. “Para minimizar o frio, os tutores podem tentar colocar roupinhas nos felinos, pois muitos aceitam e ficam bem com elas. Podem também cobri-los com cobertor quando estiverem dormindo. Outra opção é espalhar cobertas nos sofás e camas”, orienta, destacando que alguns felinos gostam muito de caixas de papelão, que podem ser melhoradas com cobertas para que os gatinhos fiquem bem aquecidos dentro delas. 
Reginaldo Pereira, veterinário com pós-graduação em Medicina de Felinos, alerta os tutores de que sinais como tremores musculares, apatia e calafrios nem sempre são indicativos de que o gatinho está com frio. Eles podem ser sintomas de febre ou de hipotermia, e portanto precisam de avaliação rápida por um veterinário. Fique atento!

2 - Atenção à alimentação
A alimentação de qualidade também é fundamental nesse período, já que ela, aliada à vacinação em dia, mantém a imunidade do bichano, protegendo-o de doenças da época, como resfriados. “Assim, os gatinhos ficam bem nutridos sem precisarem usar suplementos e vitaminas”, afirma Alessandra. Segundo Reginaldo, a exceção são gatos que já têm problemas de saúde. “Se o gato tem uma dieta de qualidade, não há necessidade de suplementação vitamínica, a não ser em alguns casos em que o felino já tenha alguma alteração instalada, os que sofrem de rinotraqueíte crônica”, explica. Nesses casos, os bichanos podem receber suplementos à base de aminoácidos essenciais, como a lisina.
E, se você está se perguntando sobre a temperatura do alimento úmido, segue a dica: só aqueça se o gato rejeitar a comida que já está sendo oferecida. “Felinos não gostam de mudanças e, se o tutor alterar a temperatura do alimento sem necessidade, eles podem não gostar e não comer”, ressalta Alessandra.


SbytovaMN/iStock.com

3 - Vacinas em dia
Tão importante quanto a alimentação, a vacinação em dia também protege seu gatinho de diversas doenças, independentemente do período do ano. As vacinas a serem tomadas são definidas em conjunto entre o veterinário e o tutor do animal, com base na idade e no estilo de vida do gato, se vive dentro de casa ou não, se ele tem contato com outros felinos e se possui bom estado de saúde, se é portador de viroses como FIV e Felv, por exemplo. Entretanto, Reginaldo enumera as principais: “São aquelas contra herpervírus, calicivírus e parvovírus, que são os causadores da gripe felina e panleucopenia, respectivamente. É importante lembrar também da antirrábica, que é obrigatória em qualquer situação”, enfatiza.

4 - Higiene é fundamental
No inverno, há maior proliferação de fungos. Por isso, lembre-se de limpar corretamente os comedouros e bebedouros dos bichanos. “Os fungos podem ser eliminados com a limpeza e higienização do ambiente e dos utensílios do gato, lavando-os com água quente e enxugando bem, além de aspirar tapetes e mobília”, orienta Reginaldo, lembrando que a prevenção e o controle dos fungos no próprio animal é importante. Para isso, mantenha a boa nutrição do pet e evite dar banho no bichano nessa época, somente mantendo-o bem escovado. 
Além disso, é importante higienizar a casa. “É imprescindível que o ambiente esteja limpo e seco, que os produtos utilizados não possuam cheiro forte e que possam ser usados nos locais onde estão os animais”, afirma Alessandra, ressaltando que as roupas dos pets podem ser lavadas com mais frequência. Entretanto, cada situação merece acompanhamento individual. “Por isso, é extremamente importante que felinos com fungos sejam acompanhados por um médico veterinário, até porque muitos desses fungos são zoonoses, ou seja, podem acometer os seres humanos”, completa. Por fim, o ambiente onde os gatinhos estão deve estar ao abrigo de vento e chuva.

5 - Boa comida, pele saudável
 De acordo com Reginaldo, a saúde da pele dos gatos também está relacionada à boa alimentação. Assim, gatos que têm uma boa dieta terão a pele resistente, que não vai sofrer com as intempéries. Portanto, nada de hidratantes para o ressecamento de pele, que geralmente é causado por problema metabólico ou doenças nutricionais. “Não há recomendação de aplicação de produtos tópicos nos gatos. É muito comum a intoxicação por produtos aplicados na pele, já que é normal o comportamento de autolambedura do felino”, explica  o veterinário. 
GlobalP/iStock.com



Adquira a edição 113 da Revista Pulo do Gato e confira as demais dicas.
Acesse o link: 
https://www.editoratopco.com.br/loja/pulo-do-gato/produtos/2375/edioe-113-maeioe-de-2017

  • GUIA DE CRIADORES DE GATOS

Encontre criadores de diversas raças.