Gatinhos e o câncer nos ossos

Categoria: Saúde

Autor(a): Divulgação | Colaborador(es): Jornalismo Top.Co. | Cidade: Campinas - SP | 06/04/2015 - 16:08

Doença é um dos tipos mais agressivos e tem como principal sintoma dores fortes.
Foto meramente ilustrativa:  ©iStockphoto.com/ La_Corivo

Foto meramente ilustrativa: ©iStockphoto.com/ La_Corivo

Tutores devem ficar atentos a um dos tipos mais agressivos de câncer que podem acometer seus bichanos: o câncer nos ossos. O diagnóstico rápido e preciso é fundamental para oferecer maior qualidade de vida aos gatos que apresentam o problema. “O câncer ósseo tem evolução rápida e agressiva, em 30 dias o aspecto da lesão piora muito e o risco de metástase é alto. Após confirmação diagnóstica o tratamento deve ser instituído o mais rápido possível”, explica o médico veterinário Alex Lafarti, especialista em Oncologia do hospital Pet Care.

  O principal sintoma da doença é a dor, que pode estar ou não acompanhada de um inchaço do osso afetado. “Por isso o paciente manca intensamente, perde o apetite e fica quieto”, detalha Lafarti. “Pela fragilidade óssea podem ocorrer também fraturas repentinas”, completa.

  A causa específica do câncer ainda é desconhecida, mas é possível afirmar que alguns fatores podem predispor o animal ao aparecimento do câncer como: genética herdada dos pais, exposição do animal a produtos cancerígenos, radiação, obesidade e a inflamação, causada por traumas constantes. “Os ossos longos como o úmero, rádio, fêmur e tíbia são os mais frequentemente acometidos, provavelmente por serem esses ossos que sustentam o peso corpóreo. Porém, as costelas e vértebras, mandíbula e cavidade nasal também são acometidas”, diz o oncologista.

 

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico da doença é feito por uma combinação de exames laboratoriais e por imagem. “O raio-X muitas vezes indica a presença do problema, mas a citologia e a biópsia com análise histopatológica podem ajudar a diferenciar uma lesão óssea por bactérias ou fungos e também ajudam na identificação do tipo de neoplasia (tumor) que estamos enfrentando”, detalha o especialista. “Já o estadiamento da doença, que é definir o grau de avanço, pode ser feito utilizando-se recursos como a tomografia computadorizada”.

  O tratamento normalmente inclui a remoção cirúrgica do membro afetado e em algumas situações específicas apenas o osso comprometido é retirado, na tentativa de preservar o membro. “Em seguida é instituído um protocolo quimioterápico, além de uma terapia de apoio a fim de amenizar sintomas secundários”, ressalta. “Animais com alterações em coluna, joelho e articulação coxofemoral (bacia) podem ter um pior prognóstico quanto à locomoção e requerer terapias complementares como acupuntura e fisioterapia, porém devemos levar em consideração que a dor em tumores extremamente intensa e o controle somente é feito com a remoção da lesão, preservar o osso afetado nessa situação não é opção. O uso de anti-inflamatórios e analgésicos deve ser iniciado logo que aparece a suspeita da doença”, finaliza Lafarti.


Warning: file_get_contents(): php_network_getaddresses: getaddrinfo failed: Name or service not known in /home/topco/public_html/revistapulodogato/admin/inc/pulo.funcoes.php on line 8

Warning: file_get_contents(http://urls.api.twitter.com/1/urls/count.json?url=http://www.revistapulodogato.com.br/materias/ler-materia/101/gatinhos-e-o-cancer-nos-ossos): failed to open stream: php_network_getaddresses: getaddrinfo failed: Name or service not known in /home/topco/public_html/revistapulodogato/admin/inc/pulo.funcoes.php on line 8

Notícias relacionadas

  • GUIA DE CRIADORES DE GATOS

Encontre criadores de diversas raças.